• Instagram

Psicoterapia em Pinheiros, Palestras e eventos escolares  e Oficinas de desenvolvimento familiar

©2020 por Honestidade Emocional ME

CNPJ 29.053.619/0001-46

Al. Gregório Bogossian Sobrinho, 60

honestidadeemocional@gmail.com

(11) 93050-4642

Política de reembolso:

Aceitaremos o pedido de reembolso somente com aviso prévio de cancelamentos no limite máximo de 24hrs de antecedência do evento/encontro/sessão. Aos pagamentos realizados no cartão de crédito, a disponibilização do valor ocorrerá de acordo com as regras da administradora do cartão ou do banco do cliente;

Se dê um tempo, se dê um espaço.

Atualizado: Fev 3

Um dia ouvi "Tô sem tempo, irmão"

Achei engraçado e comecei a usar esse meme.


Um tempo depois, percebi que isso já estava tão internalizado em mim que 15 minutos já parecia muito. Constantemente eu perdia meu foco, parecia que tudo que exigia muita atenção gastava muita energia por consumir meu tempo.


Senti muita ansiedade. Não conseguia me concentrar em uma só coisa. Parecia que cada minuto era demais pra mim.


Decidi meditar.


Dez minutos por dia, ligava meu aplicativo de meditação e meditava.

"Olha só, consegui!", eu pensava, mesmo quando a minha mente não me dava muita paz nas outras 23 horas e 50 minutos do meu dia.


Continuei meditando, cumpria todos os dias como algo que me traria uma paz interior tão grande capaz de se manifestar em todos os outros momentos da minha vida. Lá entendi o conceito da 'presença', mas estava difícil aplicar nos momentos mais tensos do meu dia.


Me peguei refletindo, "então o que é estar presente?"


Uma avalanche de memórias surgiu na minha cabeça.


Me lembrei de momentos que eu pagaria pra voltar:

Conversas, momentos específicos comigo mesma, situações com pessoas especiais.


Me vi em terceira pessoa e percebi que eu estava diferente, estava realmente conectada com as pessoas, comigo mesma, com tudo. Eu estava tão presente lá que era capaz de lembrar dos detalhes mais estranhos daquelas memórias, dos cheiros, dos sentimentos, das sensações..


Mas então... O que me fez estar tão presente lá e não conseguir estar mais aqui?

O valor do passado se torna tão grande por não conseguirmos mais viver aquele momento. Estranho como pensamos né?


No fim, o valor dessas pessoas, desses momentos sempre foram os mesmos. Quando eu estava lá, enquanto estou aqui.. a diferença é que eu só consegui reviver o valor dos momentos em que eu estava presente, quando existiam um monte de memórias que eu não conseguia reviver por não ter me empenhado em ESTAR.


Foi então que percebi, estar presente é ocupar o espaço e torná-lo seu para revivê-lo em qualquer outro lugar. Ou seja, apreciar o tempo não me custa tempo, mas espaço para arquivar memórias de uma vida inteira.


Se isso faz sentido pra você, reflita: O que verdadeiramente importa em sua vida, o tempo ou o espaço? E uma vida inteira é feita pelo tempo ou pelo espaço ocupado? Ou seja, pela sua idade ou pela forma como você vive as suas experiências?

A verdade é que não tem resposta única, eu só sei que EU preciso de um tempo e entender o meu espaço.